Tormentas de Mandrake e de Tintin no Congo

Publié le par Zetantan

O poeta, contista e autor de argumentos de cinema, António Cabrita irá lançar na próxima 3ª feira em Matosinhos a obra «Tormentas de Mandrake e de Tintin no Congo».

Sinopse

Amor, humor, melancolia e maus costumes num livro que retrata toda a geração.

Nota do autor

«Despachadas as provas do livro.
Ao escritor é a rotina da escrita - mansuetude e descrição - quem o protege, e a galinha, essencialmente, deve pôr ovos. Não há posturas ideais para o acto criativo, ou talvez a dos Lígures, devotados de tal modo à música que, até na guerra, metade do exército tinha por missão o canto.
Tormentas de Mandrake e de Tintin no Congo é o meu terceiro livro de ficção, dez anos depois do segundo, As Cinzas de Maria Callas. Não é um obituário, embora pareça. Tratar da infância não é dissemelhante de exumar a alba. E retratar o aturdimento de ser adulto não é, como galgar o lanço de escadas, uma aposta garantida.
Embora continue sem decidir se gosto de fruta cristalizada, não será a última vez que pego em retalhos da memória para os transfigurar num bárbaro descaramento, pois algum preço convém pagar 'à mentira' antes de me endividar o ensejo de ser fiel.
Agradam-me os romances de passagem e este meu 'breve catálogo sobre as civilizações desaparecidas' (que, em jeito de ilustração, inclui um 'kamasutra para rouxinóis'), não foge à regra: Tormentas... rastreia, em contos vários, um percurso e a sensibilidade de uma geração deserdada de todos os combates e que cresceu entre a miragem da Europa e a 'perda do Império'.
Para já, no entanto, à cata de novos climas, experimento o gozo de matar o narrador, ou de o deixar à mercê de cuidados médicos intensivos e de uma sorte muitíssimo macaca.
Vamos a factos: esta noite sonhei que era um serviçal do senhor Michel Eyquem de Montaigne, guardador das pimentas de el-rei Dom Manuel de Portugal, e que, na atalaia do castelo, uma perna marota me desviava intermitentemente da vigília e do caminho do bem, etc., etc.»

Publié dans Tintim em Portugal

Commenter cet article