Museu Hergé abre portas na próxima semana para dar a conhecer vida e obra do "pai" de Tintim

Publié le par Zetantan

Bruxelas, 25 Mai (Lusa) - Os amantes de banda desenhada têm a partir da próxima semana mais uma razão para visitar a Bélgica, com a inauguração de um museu dedicado à vida e obra de um dos seus maiores artistas, Hergé, o "pai" de Tintim.

Concebido pelo arquitecto francês Christian de Portzamparc, que se inspirou para o efeito na obra do desenhador belga, o museu, situado em Louvain-la-Neuve, nos arredores de Bruxelas, abrirá as portas ao público a 02 de Junho, dois anos após o lançamento da primeira pedra, a 22 de Maio de 2007, data do centenário do nascimento de Georges Remi, aliás, "Hergé".

O objectivo do museu é permitir aos visitantes "penetrar no mundo de Hergé, descobrir a sua vida, o que amava, as suas viagens, os animais de que gostava, a sua paixão por carros" e, sobretudo, "o homem multifacetado" que era Georges Remi, autor de muitos trabalhos artísticos além das famosas aventuras de Tintim, apontou hoje o director do Museu, Laurent de Froberville, numa conferência de imprensa.

Idealizado por Fanny Rodwell, segunda mulher de Hergé - que dirige actualmente, com o marido Nick Rodwell, o impressionante património do "mundo" Hergé -, o museu inclui objectos pessoais de Georges Remi, fotografias familiares e, sobretudo, pranchas e desenhos originais, nada menos que 800, cerca de 80 por cento dos originais do desenhador.

Devido à fragilidade dos documentos expostos - o papel e a tinta são particularmente sensíveis à exposição à luz -, haverá uma rotatividade das peças expostas, todos os quatro meses, e hoje, na apresentação do museu à imprensa, foi proibida a captação de imagens e fotos, para descontentamento dos muitos repórteres que se deslocaram de diversos pontos do globo para a cerimónia.

Quem quiser ver o interior do edifício de três pisos, com uma área de 3.600 metros quadrados, que abriga oito salas de exposições permanentes e uma sala de exposições temporárias, terá assim de se deslocar mesmo à cidade universitária de Louvain-la-Neuve, que a partir de Junho deverá passar assim a atrair muitos mais visitantes.

Laurent de Froberville disse que as estimativas apontam para 200.000 visitantes por ano, mas não ficará surpreendido se "a reputação de Hergé" atrair um número ainda superior.

O director do Museu admitiu que a mais conhecida criação de Hergé, Tintim, "está omnipresente, efectivamente, porque é a maior obra de Hergé", mas os visitantes terão oportunidade de encontrar "outros personagens, bem menos conhecidos mas que também são muito interessantes", assim como conhecer os diferentes trabalhos de Georges Remi, designadamente enquanto publicitário.

"É um museu em honra de Hergé, em que falamos do autor, do homem, da sua vida, da sua obra", sublinhou.

ACC.

Lusa/fim

Publié dans Imprensa

Commenter cet article