Tintin e a Citroen - 1ª parte

Publié le par Zetantan

Hergé sempre teve uma simpatia pela marca francesa de automóveis Citroen. A marca, criada em 1919 por André Citroen, foi várias vezes utilizada como fonte de inspiração para as viaturas das histórias do Tintin.

O primeiro carro dos gémeos Dupondt marca a primeira aparição dos modelos Citroen. Com efeito, o Citroen 5HP verde dos detectives que aparece nas primeiras páginas do álbum «Tintin no País do Ouro Negro» marca o início da ligação de Tintin com a marca Citroen. Apesar dos arquivos da Citroen terem sido destruídos em 1942 por uma inundação, pode-se afirmar que este modelo dos anos 20 foi concebido por Edmond Moyet e a sua produção extinta nem 1926. Contudo, no anos sessenta ainda circulavam nas estradas de França cerca de 5.000 HP.

Mais tarde, n' «O Caso Girassol», a Citroen volta a ser fonte de inspiração para mais duas viaturas: o célebre 2CV verde dos Dupondt (curiosamente, em 1955, a Citroen  só produzia 2 CV cinzentos) e o Citroen modelo 15 de tracção à frente dos inimigos de Tintin. O modelo 2CV é um dos casos de marketing automóvel com maior sucesso. O 2CV surgiu no Salão do Automóvel de Paris em 7 de Outubro de 1948 e a sua produção só foi terminada (curiosamente na fábrica de Mangualde em Portugal) em 27 de Julho de 1990 pelas 16 horas (42 anos depois) com 3.868.663 viaturas vendidas.

O modelo 15 CV é de 1938 e só foi extinto de produção em 1953 pelo DS. Foi baptizado pela «rei da estrada», sendo a viatura do presidente francês Charles de Gaulle e também por muitos «gangsters» franceses dos anos 40. Talvez por isso, Hergé o tenha escolhido para ser conduzido pelos «maus» da história. 

 Finalmente, o carro do médico de Haddock d' «As Jóias de Castafiore» é o famoso Ami 6. Este modelo da Citroen apareceu ao público em Abril de 1961, como um conceito de super 2CV.

 

Publié dans Descoberta de Tintim

Commenter cet article