Há três lamas a viver na Serra da Lousã

Publié le par Zetantan

Lamas.jpgHá três novos inquilinos no Parque Biológico da serra da Lousã, em Miranda do Corvo. São três lamas dos Andes que vieram para Portugal integrar um programa de investigação científica e que, terminada a participação nessa actividade, tinham futuro incerto.

O regresso aos Andes exigia verbas avultadas e, a verificar-se a impossibilidade da sua concretização, os animais seriam abatidos. Para evitar isso, o parque biológico, instalado na Quinta da Paiva pela Fundação ADFP (Assistência para o Desenvolvimento e Formação Profissional), decidiu acolher os três machos e " vai manter os animais enquanto forem vivos", como adiantou à Lusa o médico Jaime Ramos, presidente da ADFP.

Animais da família dos camelídeos, os lamas existiam em estado selvagem na cordilheira dos Andes, distribuindo-se pelo Chile, Bolívia, Peru e Argentina, onde foram domesticados há quatro mil anos. Hergé, o criador de Tintim, imortalizou-os como criaturas silenciosas e sérias, que cospem quando se aborrecem. No álbum O Templo do Sol, passado no Peru, a vítima dessas cuspidelas é o capitão Haddock.

O Parque Biológico pretende acolher e mostrar os animais de Portugal. Os domésticos, ligados à agro-pastorícia, e também os animais selvagens.

Veados, lontras, patos, perdizes e raposas são alguns dos animais selvagens que povoam a Quinta da Paiva, integrando o Parque Biológico da instituição.

In Diário de Notícias

Publié dans Tintim em Portugal

Commenter cet article