Tintin no Diário de Notícias

Publié le par Zetantan

Hoje, o DN publica duas páginas inteiramente dedicadas ao Tintin.

 

 Tintin_DN.jpg

 

A única das dez línguas mais faladas no mundo que ainda não tinha uma versão das aventuras de Tintin dispõe já dos primeiros oito álbuns. Ao todo, as histórias do famoso repórter belga estão traduzidas em mais de 80 línguas e já foram vendidos mais de 230 milhões de exemplares

As aventuras do mais famoso repórter belga acabam de ser traduzidas em hindi, o idioma mais falado na Índia, estimando-se em cerca de 565 milhões os novos potenciais leitores. Este é mais um passo de gigante para o reconhecimento universal de Tintin, personagem de banda desenhada criada em Janeiro de 1929 pelo belga Hergé e que a partir de agora passa a estar disponível na segunda língua mais falada do mundo. De entre os dez idiomas mais utilizados este era mesmo o único que faltava a este herói que tem acompanhado várias gerações desde os anos 30 do século XX.

Segundo o site oficial da editora que detém os direitos de publicação dos 24 álbuns criados por Hergé, são mais de 80 as línguas em que estão traduzidas as deambulações de Tintin pelo mundo, e as vendas já ultrapassaram os 230 milhões de exemplares.

E se Portugal foi o primeiro país não francófono a publicar as aventuras de Tintin, na revista Papagaio, em Abril de 1936, desde 1952 que os principais idiomas contam as atribuladas histórias do famoso repórter.

Os primeiros oito álbuns da versão em hindi já chegaram às livrarias da Índia e são uma grande vitória para Ajay Mago, editor da versão hindi e presidente da Om Books International. Segundo explicou à France Press, é o culminar de um processo que se arrastou durante cinco anos. As negociações com a Casterman começaram em 2005 "e só no início de 2008 é que aceitaram", revelou. Os mais de 560 milhões de potenciais leitores foram, certamente, um argumento de peso. Mas a editora francesa fez questão de não trair a versão original e foram precisas três traduções para que Ajay Mago conseguisse luz verde para avançar com a publicação de 12 das 24 histórias de Tintin.

Os primeiros oito álbuns já foram colocados à venda, devendo os restantes quatro chegar ao mercado em 2011, ano que ficará marcado pela estreia no cinema de O Segredo do Licorne, com realização de Steven Spielberg (ver texto na página ao lado). De entre as três viagens pela Índia de Tintin - O Lótus Azul, Os Charutos do Faraó e Tintin no Tibete -, apenas as duas primeiras estão para já disponíveis.

"Com mil milhões de macacos!", em português a expressão favorita do Capitão Haddock, "foi o mais difícil de traduzir", explicou Ajay Mago, um apaixonado pelas aventuras de Tintin e ele próprio tradutor dos álbuns. "As grandes diferenças culturais, sociais, de linguagem e de sensibilidades" foram as maiores dificuldades com que se deparou. "As piadas praticamente não podem ser traduzidas. E se algumas frases ou referências podem ser facilmente entendidas na Europa, na sua grande maioria são desconhecidas dos leitores de hindi", adiantou. Sem alterar a narrativa básica, Mago teve de recorrer a piadas ou expressões similares, sempre que possível em hindi, para facilitar a compreensão dos leitores indianos", relatou. Os nomes das personagens também sofreram alterações. Por exemplo, para chamar o seu fiel ajudante, Tintin não chamará Milu mas sim Natkhat e a dupla de detectives Dupond e Dupont ficarão conhecidos como Santu e Bantu.

Mas se é impressionante o facto de as histórias de Tintin estarem traduzidas nas línguas mais faladas do mundo, não é menos impressionante o facto de algumas das aventuras, inicialmente publicadas no suplemento juvenil Le Petit Vingtième, do diário católico belga Le Vingtième Siècle, onde Hergé era chefe de redacção, estarem traduzidas em vários dialectos. Desde o galego ao galês, passando até pelo criolo das Ilhas Maurícias, e até pelo latim e pelo esperanto.

 

É em finais de Outubro de 2011 que se começa a estrear na Europa Tintin e o Segredo do Licorne, de Steven Spielberg, que será também o primeiro filme rodado em digital, pela técnica de motion capture e em 3D pelo autor de Tubarão e A Guerra dos Mundos. O argumento aglutina as histórias de três álbuns do herói de Hergé, O Caranguejo das Tenazes de Ouro, O Segredo do Licorne e O Tesouro de Rackham o Vermelho. Peter Jackson, que em princípio realizará um segundo filme das aventuras de Tintin, fornece os efeitos especiais através da sua companhia Weta Digital e é co-produtor, juntamente com Spielberg e Melissa Mathison. Esta ainda prevista uma terceira fita, assinada ou de novo por Steven Spielberg, ou rodada em parceria por este e por Jackson. Os britânicos Jamie Bell e Andy Serkis interpretam, respectivamente, Tintin e o Capitão Haddock. Recorde-se que esta não é a primeira vez que Tintin é adaptado ao cinema com actores de carne e osso (mesmo que digitalizados, como é o caso destes filmes). Em 1961 e 1964, o belga Jean-Pierre Talbot interpretou o herói de Hergé, nos filmes As Aventuras de Tintin e O Mistério das Laranjas Azuis, que tiveram direito a álbuns fotográficos.

 

Os Charutos do Faraó (1934), O Lótus Azul (1934) e Tintin no Tibete (1960) são três das missões do enviado especial Tintin que passaram por terras indianas. Na primeira aventura, Tintin surge a bordo de um cruzeiro rumo ao extremo oriente. A bordo encontra um egiptólogo extravagante, Philémon Siclone, que está à procura do túmulo do faraó Kih-Oskh. Após variadíssimas peripécias, e com Dupont e Dupond sempre no seu encalce, acaba por chegar à Índia, onde ataca o tráfico de ópio, desmantelando uma organização de traficantes. E é precisamente na Índia que se inicia a acção de O Lótus Azul, quando Tintin se encontra no palácio do seu amigo, o marajá de Rawhajpoutalah. Aí é contactado por um mensageiro chinês e o desenrolar da história passa-se na China, onde o repórter só consegue levar a bom termo a sua missão graças à ajuda do jovem chinês Tchang.

E é precisamente o seu esforço para ajudar este amigo o tema central de Tintin no Tibete. Em férias numa estação alpina, Tintim lê num jornal que um avião caiu no Nepal e sonha com Tchang pedindo socorro. Após descobrir que o amigo se encontrava de facto no avião, Tintin parte à sua procura, acompanhado pelo Capitão Haddock.

 

 

In DN

 

 

Publié dans Tintim em Portugal

Commenter cet article