Tintin - O herói mais caro do mundo

Publié le par Zetantan

Eurico de Barros escreve no Diário de Notícias um artigo sobre o valor financeiro do Tintin.

Tudo o que é raro e original e diz respeito a Tintim é disputado pelos coleccionadores, modestos ou endinheirados. Uma febre que se estende cada vez mais aos álbuns, negociados ou leiloados a preços que podem "roçar o irracional", diz um especialista .

No ano passado, o guache original da capa de Tintim na América, foi vendido em leilão em Paris, a um coleccionador, por 764 200 euros, soma recorde para um herói de banda desenhada (BD) e para um artigo relacionado com a personagem criada por Hergé. Em Março passado o desenho da capa de O Caranguejo das Tenazes de Ouro foi adjudicado por 372 mil euros. Na mesma altura, uma edição muito rara de A Estrela Misteriosa, devido ao papel de má qualidade utilizado na sua impressão, durante a II Guerra Mundial, foi por 103 mil euros.

São valores únicos por uma figura da BD, que segundo a revista especial do Le Monde dedicada a Tintim, fazem dele o herói do género "mais caro do mundo".

Se os desenhos, pranchas originais e artigos de merchandising são comerciados a preços invulgares no mundo da banda desenhada, sobretudo se forem raros, antigos e estiverem em bom estado, os álbuns podem também atingir somas ao alcance apenas das carteiras dos mais prósperos.

A cotação de mercado, sobretudo para os álbuns mais raros, varia segundo a oferta e a procura do momento, mas há factores que influem nos preços e os inflacionam.

Por esta altura, os 80 anos da publicação de Tintim no País dos Sovietes no suplemento Le Petit Vingtième do diário belga Le Vingtième Siècle, celebrados em 2009, a expectativa que rodeia a adaptação ao cinema das aventuras de Tintim em 3D por Steven Spielberg e Peter Jackson, e a onda de nostalgia na moda, vieram fazer com que os preços dos álbuns disparassem.

Falando à revista especializada Collectioneur et Chineur, o livreiro e tintinófilo Roland Buret disse que há hoje "mais coleccionadores de álbuns raros" de Tintim "do que há 10 anos", mas a clientela é mais "topo de gama, com mais meios económicos".

Uns, com menor poder de compra, frequentam livrarias e alfarrabistas, na esperança de fazerem uma descoberta a preços acessíveis. Os outros, vão quase exclusivamente aos leilões de banda desenhada e podem pagar preços que "roçam o irracional".

Por exemplo, entre 30 e 50 mil euros por um dos 500 exemplares de Tintim no País dos Sovietes oferecidos por Hergé em 1930 aos seus amigos, que o autor assinou como "Tintim" e a primeira mulher, Germaine, como "Milou". A edição original desta mesma aventura, em estado apreciável, pode atingir os 15 mil euros, revela ainda Roland Buret.

O bom estado do álbum é essencial. Mesmo que seja uma edição original, rara,ou especial por qualquer particularidade (papel usado, tipo de encadernação, dedicatórias, etc.), se tiver manchas, rasgões, escritos, falta de páginas ou outras marcas, perderá logo valor.

Há quem não olhe ao preço para conseguir o álbum de Tintim que cobiça. Recentemente, um coleccionador ofereceu a outro 145 mil euros por um exemplar em estado impecável de Tintim no País dos Sovietes, pelo qual o seu possuidor havia desembolsado 15 mil euros. E este recusou, porque o dinheiro não é tudo. E ter um álbum raríssimo de Tintim é pertencer ao clube mais exclusivo dos coleccionadores de BD.

http://dn.sapo.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=1455973

Publié dans tintinofilo

Commenter cet article